Gestação de mil dias

1000dias

A saúde da vida inteira é delineada nos primeiros 1000 dias de vida, ou seja, da gestação até os 2 anos de idade conseguimos influenciar nossa saúde da vida toda.

Por isso a pastoral da criança, depois que conseguiu observar a diminuição da mortalidade infantil nos últimos anos, agora se dedica a garantir um futuro melhor para as crianças.

Está provado que crianças que sofrem desnutrição dentro do útero ou nascem antes da hora, correm risco mais elevado de desenvolver doenças cardiovasculares na idade adulta. Nós mãe temos que garantir muito além de manter uma alimentação saudável na gestação, implica também no controle da pressão arterial, que pode acabar “roubando” nutrientes do feto, que acaba nascendo abaixo do peso.

Para exemplificar melhor, veja abaixo as principais doenças da fase adulta, mas que podem se iniciar na gestação.

DOENÇAS CARDIOVASCULARES
Bebês com baixo peso (menos de 2,5 kg) ao nascer correm risco mais elevado de desenvolver doenças cardiovasculares na idade adulta. A nutrição da mãe molda a placenta e a placenta molda o coração do bebê. Quanto maior o tamanho da placenta, melhor será para o coração do bebê

A desnutrição dentro do útero apressa a maturação do bebê. O coração de bebês nascidos antes do tempo possui menor quantidade de células. Isso pode afetar a capacidade de regeneração do órgão na idade adulta

COLESTEROL ALTO
O crescimento insatisfatório do fígado do bebê ainda no útero materno contribui para os níveis elevados de colesterol no sangue na idade adulta. Com a medida do tamanho do fígado ao nascer pode-se prever o nível de colesterol que a pessoa terá quando completar 60 anos

DIABETES
Antes do nascimento, a insulina comanda o crescimento do bebê. A sensibilidade à insulina é estabelecida no útero. Bebês que nasceram com baixo peso têm mais resistência à insulina que os nascidos com peso adequado. Isso aumenta o risco de diabetes na fase adulta

OBESIDADE
O bebê que passa fome na barriga da mãe adapta-se para sobreviver à condição de falta de nutrientes. Depois do nascimento, a tendência do organismo dessas crianças é armazenar energia. Assim começa o excesso de peso na infância. Uma criança que estava desnutrida aos dois anos tem risco mais elevado de se tornar um adulto obeso

HIPERTENSÃO ARTERIAL
Placentas pequenas têm vasos sanguíneos mais estreitos. Por isso é preciso uma maior pressão para manter o fluxo de nutrientes e oxigênio para o bebê. Depois do nascimento, esses bebês de baixo peso continuam a ter pressões sanguíneas mais elevadas

O risco de hipertensão na velhice é duas vezes mais elevado em pessoas que nasceram com baixo peso

DOENÇA RENAL
Pessoas nascidas com baixo peso têm três vezes menos células nos rins. Como consequência, cada célula do rim tem que trabalhar mais. Com o tempo, o órgão passa a não dar conta de sua função. A pressão arterial sobe e o prejudica ainda mais.

OSSOS
Bebês pequenos têm menos cálcio nos ossos. Também têm menos músculos devido à alteração em dois hormônios: cortisol e hormônio do crescimento. Esses problemas levam a uma reserva de massa óssea mais baixa e a uma perda rápida no processo de envelhecimento. O resultado é a osteoporose.

Leia mais e veja exemplos de vidas que foram alteradas pela má gestão dos primeiros 1000 dias clicando aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s